7 tipos de negócios para abrir no setor de alimentação

O ramo da alimentação é um dos setores mais procurados por quem deseja empreender, e isso tem uma explicação muito clara: o acesso é mais fácil, a lucratividade maior e os investimentos são, em geral, mais baixos. Muitas vezes, é possível empreender a partir da cozinha da própria casa, e isso pode fazer toda a diferença.

Se não bastasse, é com alimentação que o brasileiro gasta mais (após os custos com habitação). De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o brasileiro utiliza 25% da sua renda com alimentação fora do lar. Ou seja, investir em comida traz um excelente retorno e a atividade está à disposição de qualquer um que queria empreender.

Mas onde investir? O Gerando Empreendedores responde essa pergunta trazendo para você 7 tipos de negócios para abrir no setor de alimentação. São opções viáveis e de baixo custo, que podem se transformar em excelentes negócios!

O ramo da alimentação é sempre um bom negócio?

Um bom negócio é aquele que apresenta uma boa taxa de lucratividade e se sustenta, conquistando sua fatia de mercado. Ou seja, qualquer ramo pode ser um bom negócio. Mas o setor de alimentação traz algumas vantagens sobre os demais, o que as tornam um negócio realmente mais atrativo.

  • Os custos para abertura do negócio podem ser baixos;
  • Mesmo diante da crise, as pessoas continuam a consumir alimentos;
  • Alta margem de lucro;
  • Facilidade de acesso ao conhecimento;
  • Possibilidade de diversificar os produtos; e
  • Inúmeras franquias disponíveis nos mais variados segmentos.
  1. Delivery de Quentinhas (Setor da Alimentação) 

A falta de tempo no dia a dia é a maior amiga do serviço de delivery. Com a crise do novo coronavírus, o serviço de delivery de quentinhas ganhou um impulso formidável, se tornando um negócio excelente.

Como em vários nichos da alimentação, é possível começar a trabalhar na cozinha de casa, e isso pode ser um fator determinante para se empreender nessa área. Obviamente que a cozinha de casa traz limitações, porque não está preparada para o aumenta da produção, o que será exigido para que o negócio cresça. Mas pode ser um ponto de partida.

Não há segredos no negócio de delivery de quentinhas. Para se alcançar o sucesso, é preciso:

  • Uma comida muito gostosa;
  • ótimos preços;
  • Entrega rápida e eficiente; e
  • Cardápio variado ao longo da semana.

O delivery de quentinhas não requer um ponto de vendas, mas a cozinha deve estar localizada perto de áreas movimentadas – de moradia e trabalho. Para quem quer começar pequeno, por meio de uma solução caseira, os investimentos podem se limitar a matéria prima, embalagens, divulgação e o sistema de entregas (com bicicletas e motos). Dando certo, o negócio exigirá a ampliação da cozinha, de equipamentos e de pessoal.

Uma dica fundamental, para evitar um erro extremamente comum entre empreendedores que começam na cozinha de casa. Ao formar o preço da quentinha, é preciso levar em conta os custos dos alimentos, da hora trabalhada, da embalagem, da entrega, mas também os gastos com eletricidade, água, gás, aluguel e condomínio, entre outros. Porque efetivamente haverá mais gastos, e isso deve ser coberto.

  1. Hamburgueria (Setor da Alimentação) 

A hamburgueria é a queridinha da vez, o negócio da moda. Hamburguerias se multiplicam, e tem muita gente ganhando dinheiro com hambúrgueres artesanais. Uma das grandes vantagens desse nicho é a possibilidade de começar a produzir e vender sanduiches na cozinha de casa, chegando aos clientes por meio do delivery.

A estrutura a ser utilizada vai depender do tipo de negócio escolhido. Se a venda for feita apenas por delivery, os investimentos se limitam a cozinha, a matéria prima, a divulgação e a entrega do sanduiche ao cliente. Muitos empreendedores dessa área utilizam os grandes aplicativos, como I Food e Uber Eats, e investem apenas na produção propriamente dita. Se a ideia é receber clientes para o lanche, os custos sobem sensivelmente com a estruturação do ponto-de-venda.

De qualquer forma, será preciso investir em equipamentos específicos para a produção dos hambúrgueres, entre os quais: geladeiras, freezers, fogão industrial, grelhas e chapas, fritadeira comercial, máquina de moer carne, liquidificador e processador, entre outros.

Invista em um cardápio enxuto, mas que ofereça opções para o consumidor. Limite os acompanhamentos e as sobremesas, ofereça diversas opções de bebidas e aposte alto em divulgação.

  1. Bolos e brigadeiros  (Setor da Alimentação) 

Diz-se que “uma casa sem bolo é uma casa sem alma”. Verdade ou não, esse é um negócio que explodiu recentemente e tem produzido muito empresário de sucesso, que começou a assar bolos no forno de casa e hoje tem rede de lojas.

Montar uma pequena fábrica de bolos e brigadeiros em casa pode parecer simples, mas não é. Basta pensar em quantos bolos um forno comum é capaz de assar ao longo de um dia de trabalho. A margem de lucratividade de bolos e brigadeiros é alta, mas como são produtos de baixo valor é preciso vender muito para faturar alto.

Então, para iniciar nesse negócio é preciso investir em alguns equipamentos, como forno, batedeira e liquidificador industriais, geladeiras e freezers. É possível começar com o forno simples do fogão de quatro bocas da cozinha, mas se a clientela gostar dos bolos e dos brigadeiros prepare-se para os investimentos.

Um dos segredos desse nicho é o mix de produtos. Invista em diferentes tipos de bolo, bolo de pote e de brigadeiro, aposte em recheios e faça seu cliente salivar pelas variadas opções disponíveis. Um diferencial pode se a produção de bolos para públicos específicos, como vegano e intolerantes a glúten ou lactose, entre outros.

  1. Comida congelada para veganos (Setor da Alimentação) 

Uma das maiores lanchonetes fast-food do mundo já oferece hambúrguer vegetal aos seus clientes, e isso mostra o óbvio: o vegetarianismo é uma realidade e muita gente está ganhando com ele. Em 2015, apenas 3,4% da população norte-americana se diziam vegetarianos; hoje esse número pulou para 25% (entre jovens de 25 a 34 anos). No Brasil, o Ibope diz que 14% da população se identificam com essa forma de se alimentar, ou seja, mais de 30 milhões de brasileiros.

Uma excelente opção de negócio tem sido a venda de comida vegana congelada. O negócio une duas vertentes de sucesso – o veganismo e a alimentação congelada – e o melhor é que se trata de um mercado novo e cada vez maior. Quem começar agora sai na frente!

O negócio pode ser iniciado na própria casa do empreendedor. É preciso investir em divulgação, embalagens especiais e na distribuição, que pode ser feita pelos aplicativos de delivery de comida. Também será preciso comprar freezers. Eis um nicho especial e exclusivo, então as redes sociais são excelentes para a empresa encontrar seus potenciais clientes e conquistá-los.

É oportuno lembrar que esse consumidor é extremamente exigente e consciente. É preciso que você mostre autoridade no assunto, que você comprove utilizar alimentos veganos. Utilizar verduras e legumes orgânicos é obrigatório. Apostar em pratos diferentes e criativos será um diferencial.

  1. Delivery de bebidas

Esse é um novo nicho, que também se aproveita dos benefícios do delivery. A distribuição de bebidas é um negócio tão promissor e em voga que vários aplicativos especializados nesse serviço surgiram, e os gigantes do setor também estão de olho. O I Food, por exemplo, conta com uma categoria específica para a venda e entrega de bebidas.

Investir em um delivery de bebidas tem algumas particularidades que devem ser levadas em conta na hora de decidir por esse nicho. Antes de tudo, é preciso ter espaço para armazenar as bebidas. E o estoque deve ser grande. Além disso, é preciso investir em freezers e geladeiras, porque entregar o produto gelado é um diferencial, e o mercado exige e pagar por isso.

A distribuição também merece atenção: se trata de um produto cujo transporte deve ser feito de forma cuidadosa, porque muitas bebidas são condicionadas em garrafas de vidro.

É preciso apostar em um mix variado de produtos, e aproveitar a onda da cerveja artesanal e oferecer marcas variadas, mas bem aceitas pelo público em geral. Tenha refrigerantes de diversas marcas, bebidas alcoólicas em geral, sucos industrializados, energéticos e água mineral A empresa pode faturar mais oferecendo produtos periféricos, como carvão para o churrasco e gelo picado e em barras.

Muitas distribuidoras de bebidas ampliam o faturamento oferecendo outros serviços, como aluguel de mesas e cadeiras para festas, choppeiras, caixas térmicas e freezers.

  1. Pães caseiros

Tem muita gente que começou a fazer pães por hobbie e para consumo próprio, postou fotos nas redes sociais, recebeu encomendas pontuais de amigos e isso acabou virando um excelente negócio. Pães são consumidos diariamente, muitas vezes mais de uma vez por dia, não é verdade?

Esse nicho segue a mesma sistemática de vários outros, que podem ser comercializados a partir da cozinha de sua casa. É possível começar no forno do fogão de casa, mas as limitações são enormes e logo será necessário expandir a produção.

A primeira pergunta que o empreendedor deve fazer é: por que o cliente vai comprar o meu pão se pode fazê-lo de forma mais barata na padaria da esquina de sua casa? Eis o segredo deste negócio: exclusividade. Os pães artesanais são exclusivos, naturais, mais gostosos e você oferecerá opções ao seu cliente que ele não encontra na padaria da esquina.

Uma ideia que pode trazer excelentes resultados é a venda de assinatura de pães. O cliente faz uma assinatura, paga uma determinada mensalidade e tem direito a entrega de um número x de pães em sua residência. É possível oferecer diferentes tipos de assinatura, e isso será um tremendo diferencial do seu negócio.

A matéria prima é bem barata, a margem de lucro alta, mas será preciso investir em divulgação e delivery, e com o tempo em maquinaria e pessoal.

  1. Pizzaria

É impossível falar de 7 tipos de negócios para abrir no setor de alimentação sem citar a pizzaria. O brasileiro ama pizza e não abre mão de consumi-la semanalmente. Os investimentos podem ser baixados, dependendo do tipo de negócio, e a margem de lucro da pizza é bem alto.

É possível montar diferentes tipos de negócio quando o assunto é pizza. O empreendedor pode optar pela pizzaria exclusiva por delivery, a tradicional pizzaria que recebe seus clientes (forneria, pizza a la carte, pizza em sistema de rodízio), pizzaria fast food, venda de pizza congelada, barraquinha de pizza para aniversários e eventos e rodízio de pizza na casa do cliente, entre outras. É possível se especializar em uma destas opções ou oferecê-las todas, aumentando as possibilidades de vendas e lucro.

No caso da pizzaria receber seus clientes, o ponto comercial deve ser escolhido com todo cuidado porque ele poderá definir o sucesso do empreendimento. Deve ser um local com muita circulação de pessoas, seguro, que tenha opções para estacionamento e que seja bem servido de opções de transporte coletivo. A decoração também merece uma atenção redobrada porque tem impacto imediato na percepção do consumidor. Isso significa mais investimentos.

Dicas para o ramo da alimentação

  • Preparar um plano de negócios antes de iniciar qualquer empreendimento é importantíssimo. Na área da alimentação, que apresenta um alto grau de concorrência, pensar o negócio por meio do plano, é obrigatório. Temos um conteúdo específico sobre isso, leia-o.
  • Muita atenção com a escolha de seus fornecedores. Em geral, os consumidores querem pagar pouco, mas não abrem mão da qualidade e do sabor. Pesquise fornecedores que estão prontos para atendê-lo, com preço e qualidade. Cuidado com a troca de matéria-prima, caso seja necessário trocar algum fornecedor.
  • O sistema delivery já não é mais uma tendência; virou realidade. Invista nisso.
  • O mercado vegetariano é a bola da vez. Cada vez é maior o número de consumidores que adotam esse tipo de alimentação. Tenha opções para essa público e fature mais.
  • Atenção total à higiene e limpeza.
  • Dinheiro físico é cada vez mais uma coisa do passado. Pouca gente anda com dinheiro no bolso. Invista nas formas digitais de pagamento.

A importância do contador na gestão de sua empresa

A legalização de um negócio é fundamental para sua sustentabilidade e oferece muito mais chances de faturamento, disso ninguém tem dúvida. Mas qual natureza jurídica optar pelo seu empreendimento? Quais são as opções que cabem no seu projeto? Microempreendedor individual (MEI)? Simples Nacional? Regime de sociedade limitada (Ltda.)?

A questão não se limita às diferentes possibilidades de natureza jurídica. A área de alimentação é cheia de nuances, regras, regulamentações e leis, e respeitá-las é fundamental para se evitar sanções, multas e até o fechamento do negócio.

A figura do contador vai muito além, no entanto, da legalização do negócio. Esse profissional é fundamental para a formalização, e ele é a pessoa indicada para orientar o empreendedor sobre qual caminho jurídico seguir. Mas a contabilidade moderna vai muito além da burocracia, e os negócios precisam se beneficiar disso.

A contabilidade oferece ao empreendedor a possibilidade de enxergar profundamente o seu negócio, ajudando na tomada de decisões. É papel do contador alinhar os números e fazer disso um guia para a melhor compreensão da saúde financeira da empresa. Também é seu papel apoiar uma gestão financeira ativa, detalhista e a favor da produtividade e do lucro.

Contratar um escritório contábil especialista no ramo da alimentação ajudará o empreendedor a gerir melhor seu negócio, e esse é um passo decisivo e imprescindível rumo ao sucesso.

Falar com um Contador Especialista

Portal Gerando Empreendedores
Portal Gerando Empreendedores
A primeira escola de empreendedorismo no Brasil formada por Contadores e Financistas Especializados. Somos o maior apoio paras as Micro e Pequenas Empresas.
Preciso de Ajuda