O que é e-commerce?

o que é como montar um e-commerce

Há muito que a atividade de e-commerce vem crescendo progressivamente no mundo inteiro, deixando de ser uma tendência e se transformando em uma necessidade. Em tempos de crise, a venda pela internet sempre aparece como uma alternativa à demanda reprimida, mas será que você sabe exatamente o que é e-commerce?

A pandemia do novo coronavírus colocou o comércio eletrônico ainda mais em evidência. Muitas pessoas que jamais haviam comprado sequer um shampoo pela internet passaram a fazê-lo por necessidade, e aderiram, tornando o e-commerce ainda mais forte e maior. Muitos negócios também passaram a vender pela internet.

Neste conteúdo você vai saber exatamente o que é e-commerce, como funciona um e-commerce e como montar seu comércio eletrônico. É um caminho sem volta, extremamente vantajoso para quem vende e para quem compra, que pode trazer excelentes resultados para qualquer empreendedor.

O que é e-commerce

Você sabe o que é e-commerce? O chamado comércio eletrônico é a venda de algum produto ou serviço pela internet, que uma loja ou um prestador de serviços faz por meio de uma plataforma virtual própria.

Toda a relação comercial de compra e venda pela internet compõe o comércio eletrônico. Não se trata apenas de um site de uma empresa anunciando seus produtos ou serviços, mas sim a venda efetiva deles. Por meio de ferramentas digitais, um cliente acessa uma loja virtual, escolhe seus produtos e realiza a compra, fazendo todo o pagamento online e definindo a logística para entrega de suas compras.

Então e-commerce é uma loja virtual? A loja virtual é apenas uma parte (grande, é verdade) do comércio eletrônico, que também vai trabalhar com redes sociais, e-mail marketing e outras ações de divulgação para incremento das vendas. Assim como o marketplace (grandes lojas que vendem produtos de inúmeros fornecedores, como o Mercado Livre, por exemplo) é mais um tipo de comércio eletrônico.

Como surgiu o e-commerce

No início dos anos 70, um grupo de universitários de Stanford e do MIT, nos Estados Unidos, utilizaram a Arpanet (antecessora da internet, como a conhecemos, criada pelo Departamento de Defesa norte-americano), para a venda de maconha. Esse é, de fato, o primeiro movimento de criação do e-commerce, mas foi em 1979 que o empresário de TI Michael Aldrich criou um tipo de televisão, que batizou como Videotex, que permitia a realização de compras online.

Em 1981, foi criado o primeiro sistema de compras B2B (entre empresas), utilizado no ramo de turismo por uma empresa chamada Thomson Holidays UK. Mas somente em junho de 1984 foi registrada a primeira compra de uma pessoa física pela internet, a partir de sua própria casa. Jane Snowball, a compradora, acabou entrando para a história da internet. Em 1992 tivemos o primeiro comércio eletrônico que vendia livros e aceitava cartão de crédito, em 1995 foram criadas as gigantes Amazon e eBay e em 1999 foi inaugurado o Alibaba.

Tipos de e-commerce

  • E-commerce B2B (business to business): empresas compram de empresas, principalmente máquinas e matérias primas. O consumidor final não é atendido nesse tipo de e-commerce. Excelente para encontrar fornecedores.
  • E-commerce B2C (business to cliente): empresas de comércio eletrônico que vendem para o consumidor final.
  • E-commerce atacadista: venda em grandes quantidades.
  • E-commerce varejista: venda em pequenas quantidades. É possível comprar um pacote de fraldas, por exemplo.
  • E-commerce de produtos físicos
  • E-commerce de produtos digitais (softwares, games, música, e-books, etc.)
  • Marketplace: grandes lojas que vendem produtos de inúmeros fornecedores.

As atividades de e-commerce mais fortes

De acordo com a Ebit/Nielsen, as categorias mais fortes em volume de pedidos são:

  • Moda e acessórios (13,6%)
  • Eletrodomésticos (13,1%)
  • Livros, assinatura se apostilas (12,2%)
  • Saúde/cosméticos e perfumaria (11,2%)
  • Telefonia e celulares (10,3%)
  • Casa e decoração (9,8%)
  • Informática (5,9%)

As categorias mais fortes em volume financeiro são:

  • Eletrodomésticos (23%)
  • Telefonia e celulares (21%)
  • Eletrônicos (12,4%)
  • Informática (9,5%)
  • Casa e decoração (7,7%)
  • Moda e acessórios (5,6%)

O e-commerce no Brasil

O setor de comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 53,2 bilhões em 2018. Segundo a Ebit/Nielsen, os números de 2019, ainda não fechados, devem apresentar um crescimento de 15%. Ainda de acordo com a consultoria, o Brasil conta com 58,5 milhões de consumidores ativos que fazem compras pela internet. Já o PayPal Brasil afirma que temos nada menos do que 930 mil lojas online ativas.

Em 2019, as vendas online representaram 14% das vendas do varejo mundial. Só na Black Friday do ano passado, aqui no Brasil, consumidores movimentaram R$ 3,87 bilhões em compras de e-commerce. Aliás, a Black Friday apresenta um ticket médio maior que o próprio Natal (R$ 608,00 contra R$ 475,00).

Alguém duvida da força gigantesca do e-commerce?

Vantagens do e-commerce

São várias as vantagens do e-commerce, a começar pelo preço, que em geral é mais barato do que o encontrado nas lojas físicas, o que é possível por conta dos custos menores da atividade online. Outras vantagens para o consumidor:

  • Praticidade;
  • Pesquisa de preços sem sair de casa;
  • Possibilidade de comprar 24 horas por dia, sete dias por semana, sem feriados.

Vantagens para o comerciante:

  • Possibilidade de vender para consumidores de qualquer localidade (dependendo, claro, da logística disponível);
  • Menores custos para manutenção da loja, incluindo menos funcionários;
  • Loja aberta full time.

Como funciona o comércio eletrônico

Como funciona o comércio eletrônico? Por meio de um website, produtos são apresentados por meio de fotos, o internauta pode escolher quais quer comprar, define suas condições de pagamento, contrata o frete, efetiva a compra e aguarda suas mercadorias chegarem ao endereço indicado. O pós-venda, como reclamações e trocas, também é feito no mesmo ambiente.

Pode parecer uma estrutura bem complicada, e é mesmo. Mas a boa notícia é que a internet oferece inúmeras ferramentas para montagem de um e-commerce de forma simplificada. Há inúmeras opções gratuitas, inclusive.

Como montar seu próprio e-commerce

São cinco as etapas para montar o seu próprio comércio eletrônico e começar a vender pela internet.

  • Criação de um site: Primeiro, é preciso ter um website, e mais uma vez a internet oferece inúmeros templates (modelos) grátis, que facilitarão muito essa etapa. Já foi o tempo que era preciso contratar um programador e gastar muito dinheiro com isso.
  • Hospedagem: É preciso escolher um servidor para hospedar o seu site. Contrate um bom prestador de serviços, que vai garantir seu site no ar o maior tempo possível.
  • Sistema de cobrança: é preciso criar um sistema de cobrança extremamente seguro. Você também poderá optar por pagamentos indiretos, via PayPal, por exemplo.
  • Estoque e logística de entrega: É fundamental investir no estoque, afinal você vai ter que entregar o que vendeu. E é preciso planejar como vai entregar.
  • Atendimento ao cliente: invista em canais de atendimento ao cliente para resolver qualquer pendência ou inconsistência.

Métricas para o comércio eletrônico

Como avaliar se suas vendas pela internet estão sendo satisfatórias? São as seguintes as principais métricas que devem se avaliadas constantemente no e-commerce:

  • Volume de visitas ao site.
  • Número de visitantes e de visitantes que voltam ao site.
  • Fontes de tráfego (como as pessoas chegam ao seu site).
  • Número de usuários X número de usuários que fazem compras
  • Avaliações dos usuários sobre os produtos.
  • Número de abandonos do carrinho (compras não efetivadas).

Ações de marketing para vender muito na internet

O marketing digital é o melhor amigo do sucesso de vendas de um e-commerce. É por meio de suas mais diversas ferramentas que você divulgará o seu negócio e atrairá um número cada vez maior de clientes e, consequentemente, fará mais vendas. Você pode contratar uma agência de propaganda e marketing ou realizar com equipe interna.

As redes sociais são um campo extremamente fértil e eficaz para divulgação da sua loja online. Uma excelente forma de se divulgar é promover um forte marketing de conteúdo, ou seja, posts, blogs e e-books mostrando a autoridade do seu negócio. Você pode, por exemplo, escrever sobre os benefícios de um determinado produto ou discorrer sobre tendências de mercado.

É importante realizar um trabalho contínuo e organizado, estabelecendo um calendário editorial. Onde, quando e como fará as postagens? Crie rotinas, trabalhando regularmente a sua divulgação.

A importância do contador no e-commerce

Negócios online podem ser feitos com poucos investimentos, mas você vai precisar legalizar seu empreendimento, e para isso precisará contar com o apoio de um contador. Ele saberá lhe orientar sobre como abrir sua empresa, qual tipo de empresa abrir, qual sistema será mais vantajoso para você, inclusive como ter uma carga tributária menor.

O papel do contador atualmente vai muito além da abertura da empresa e gerenciamento dos números (ou, como os simplistas gostam de falar, o que entra e o que sai do caixa). A contabilidade moderna é analítica e utiliza todos os seus conhecimentos e expertise para oferecer ao empreendedor uma visão profunda e real sobre a saúde de sua empresa, ajudando – e muito – na tomada de decisões.

Antes de dar qualquer passo, converse com um contador especializado em e-commerce daqui do Gerando Empreendedores. Ele poderá lhe dar mais subsídios para decisões gerenciais, ajudando efetivamente no caminho rumo ao sucesso. Você pode localizar um acessando: Quero Falar com um contador especializado.

Portal Gerando Empreendedores
Portal Gerando Empreendedores
A primeira escola de empreendedorismo no Brasil formada por Contadores e Financistas Especializados. Somos o maior apoio paras as Micro e Pequenas Empresas.
Preciso de Ajuda